Kombi - Primeira experiência - 2014 (04/11/2016)

2014

- Vamos pra praia no fim do ano?

- Estamos sem dinheiro para viajar.

- E se dormíssemos na perua?

Foi assim que surgiu a ideia de viajar de Kombi. Temos uma Perua Kombi 1996, usada para carregar decorações de festas infantis. Lançada a semente, o plano de viajar em uma Kombi para poder ter autossuficiência apenas cresceu com o passar dos dias. Logo vieram as dúvidas e ideias para viabilizar a viagem. Como dormir? Como fazer para tomar banho? Comida? Luz? Onde dormir?

A primeira providência foi realizar a manutenção mecânica. Carburadores, freios, motor, direção. A epopeia dos mecânicos. Foram meses até acertar tudo.

Depois, resolvemos refazer a tapeçaria da cabine, estava tudo rasgado, fios expostos, capa da porta quebrada, borrachas secas.

Desmontei as placas das portas e tirei o molde na madeira, cortei com a tico tico, comprei um tecido usado para forrar mesas de lanchonete (não lembro o nome), colei na madeira e depois cortei onde tinha os buracos. Comprei os parafusos para o acabamento. Aproveitei e fiz também um tampão para a frente, onde deveria segurar os autofalantes. Com uma placa de EVA refiz o tapete.

[Imagem: img1.jpg]

Agora viria a parte complicada. Transformar a Kombi em uma casa, sem fazer modificações permanentes, pois ela seria usada para trabalhar quando acabasse a viagem.



Dormir?

O primeiro desafio: Como dormir dentro da Kombi. Não cabe um colchão, tem aquele cofre do motor que não deixa. Um sofá cama seria ótimo, mas esbarramos na questão financeira. Não temos dinheiro pra fazer isso. Temos que gastar o mínimo possível para sobrar dinheiro para a viagem. Então talvez pudéssemos nivelar a altura do cofre do motor, a largura dava certo no colchão de casal que temos em casa, só iria faltar o comprimento. Talvez uma mesa ou mesmo uma estrutura metálica. Mas daí ficaria ruim para pegar as coisas embaixo da cama. Então decidimos fazer um baú, que poderíamos guardar as coisas dentro, abrindo para cima, apenas com o colhão em cima não deveria ficar muito pesado.

[Imagem: img2.jpg]



Privacidade x Ventilação.

Para preservar a privacidade, colocamos um tecido que vedava totalmente a cabine do salão. Em consequência, não tinha ventilação, uma vez que as janelas estão tampadas e adesivadas. Voltamos a atenção para a porta traseira. Mas se abríssemos a porta totalmente, as pessoas poderiam ver o interior da Kombi, ou poderiam pegar algo. A segurança seria perdida. Então colocamos um pedaço de arame para limitar a abertura da porta, assim ela só abriu um palmo. Ainda assim, tinha como colocar a mão por ali, insetos poderiam entrar, etc. Comprei uma tela aramada do tamanho da porta, fiz as bordas com um resto de perfil de alumínio que tinha sobrando, forrei com um pedaço de tela de mosquitos. Para ajudar na ventilação, coloquei 3x coolers de computadores puxando o ar quente pra fora, ligados na bateria estacionária. O calor ainda era intenso se não abríssemos as portas, então colocamos um ventilador para refrescar a noite toda. Deu muito certo.

[Imagem: img3.jpg]



Alimentação?

Comer fora de vez em quando tudo bem, mas se fizéssemos isso todo dia, ficaria muito caro, então usamos um fogão de duas bocas que tínhamos, antigo, e levamos um botijão de gás pela metade. Os alimentos secos levamos dentro do baú. Então houve a necessidade de refrigerar alguns alimentos. Também as bebidas.

Um frigobar antigo, 120L, mas funcionando perfeitamente. Depois de muita pesquisa, percebi que teríamos que comprar uma bateria estacionária e um inversor de 12v para 110v. Acabamos comprando uma bateria de 110ah, e um inversor de 2.000W. Na verdade comprei um inversor de 800w, não funcionou, depois um de 1.200w, funcionou uma vez, depois não conseguia mais ligar o frigobar, então o de 2.000w foi a solução.

[Imagem: img4.jpg]



Iluminação?

Com o quarto móvel que se tornou a Kombi, precisávamos de luz interna. Uma fita de led na lateral serve para iluminar enquanto trabalho a noite, mas para passarmos um tempo antes de dormir, precisamos de algo mais forte, então instalamos mais duas placas de 9watts, ligadas separadamente, com o interruptor na cabeceira. E quando acampamos, foram 4 placas de led embaixo da tenda, permitindo usufruir das noites sem problemas.[Imagem: img5.jpg]

Foi assim que fizemos para nossa primeira viagem coma kombi. Hoje ela ganhou um nome: Glória.


Visualizações: 65
Comentários
Inserir Comentário

Digite o código abaixo:

verification image, type it in the box






Termos de uso
Perdidos na estrada 2014 a 2018 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por